Políticas públicas de saneamento básico vão transformar Lauro de Freitas

Polticas pblicas de saneamento bsico vo transformar Lauro de Freitas

Microfone aberto para a população opinar e decidir os caminhos que transformarão Lauro de Freitas em uma cidade com manejo de águas adequado, sustentável e limpa é o norte que baliza a execução do Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB). Formulado em transversalidade pelas secretarias de Infraestrutura (Seinfra) e Serviços Públicos (Sesp), a primeira audiência ouviu, na noite desta sexta-feira (1), a população de Itinga, no auditório do Colégio 2 de Julho.                        

Divididas em quatro eixos temáticos - águas pluviais, drenagem, esgoto e resíduos sólidos- as audiências percorrerão a cidade até o final de setembro. Os encontros estão previstos para Vilas do Atlântico, Portão, Areia Branca, Jambeiro e Caji. " Não se pode trabalhar um Plano sem ouvir a comunidade. Vamos aliar o conhecimento técnico com o popular. As pessoas que vivenciam podem contribuir para fazermos o melhor para nossa cidade", conclamou a prefeita Moema Gramacho.                       

Secretário de Infraestrutura, Vidigal Cafezeiro informou que a previsão é de que todas as etapas do PMSB sejam concluídas até dezembro, quando a construção coletiva será entregue na Câmara de Vereadores para apreciação e votação dos edis. "Aprovado, o plano contemplará ações que devem suprir as necessidades de Lauro de Freitas, neste sentido, pelos próximos 20 anos", disse.                       

Em consonância com o PMSB, o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos, fomentado pela Sesp, está em fase de validação. A assessora técnica Manuela Leal explica que já foram realizadas as etapas de diagnóstico com o mapeamento da situação dos resíduos do município, e a análise das possibilidades para implantação das propostas. " Uma comissão com representantes de cada secretaria se debruça para analisar o plano e pontuar possíveis necessidades de alteração ou adequação. Faltam quatro reuniões para a finalização", destacou.

Projetos são destaque

As notícias de enchentes e alagamentos em breve farão parte do passado de Lauro de Freitas. Em 2018 os rios Joanes e Ipitanga receberão intervenções integradas de manejo de suas águas pluviais e afluentes. A obra é fruto de um levantamento realizado em 2005 ainda na primeira gestão da prefeita Moema Gramacho a frente do executivo municipal.                        

O "Projeto Rio Ipitanga" está orçado em mais de 180 milhões de reais. A proposta será executada pela Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder) com recursos oriundos do Programa de Aceleração das Cidades (PAC).                       

Em suma, a proposta consiste em criar seis bacias que em tempos de estiagem servirão de áreas de lazer com a oferta de quadras poliesportivas ou parques. Em épocas de chuvas torrenciais, muda-se a finalidade. Os espaços darão vazão as águas, evitando assim, a inundação dos centros urbanos.                      

Além disto, intervenções ocorrerão no trecho entre a segunda ponte da Estrada do Coco e a foz do Joanes. A localidade será desassoreada ampliando a sessão do Rio Ipitanga. Serão construídos também, quatro bueiros.                       

Bairro Novo

Outro projeto apresentado durante a audiência pública foi o Bairro Novo, que será referência para o descarte adequado de resíduos sólidos.  Com a implantação da Via Metropolitana e do Hospital Metropolitano, a região de Quingoma será contemplada com a criação do primeiro bairro planejado de Lauro de Freitas.

O secretário de Serviços Públicos, Renato Brás explica que a iniciativa, além de dispor de ferramentas como escolas e creches, postos de saúde, mobilidade urbana adequada e centros de lazer será referência para o descarte adequado de resíduos sólidos. "No Bairro Novo relocaremos as famílias que trabalham atualmente na Central de Podas e Entulhos para a Usina de Reciclagem", informou.

A Usina será criada com base nas normas regulamentadoras sanitárias. A prefeita completou informando que na região um território será exclusivo aos remanescentes quilombolas. "Após a dissolução do impasse entre os quilombolas e o governo estadual há uma série de investimentos que serão dispostos com integração a políticas de saneamento básico e água para a região", finalizou.